Minha flor

Lilypie Fourth Birthday tickers

Meu amor

Lilypie Kids Birthday tickers

Para onde caminha a música...

>> sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Eu sou do tempo em que ainda se comprava CD (pra dizer a verdade, eu sou do tempo do LP mesmo, vulgo "bolachão"). A gente gostava de  um som, ia na loja, paquerava o CD, comprava, curtia  a capa, a contracapa, o ouvia milhares de vezes, e depois o guardava no precioso cantinho de CD's. Sou da época em que carregávamos o case cheinho de preciosidades, ao invés do pendrive carregado de músicas. Hoje, olhando para a nossa (minha e do Mamá) considerável coleção, percebi que quase não temos mais escutado nossos CD's, que foram escolhidos, ou mesmo ganhados por nós. A gente ouve a seleção da TV  à cabo, ou então cada um plugado no seu aparelinho. Quanta modernidade!!! Socorro!!! Lembrei do meu sobrinho de 20 anos me dizendo: Ah tia, hoje ninguém mais compra  CD, a gente baixa tudo da internet. E põe no IPod, ou então nos MPtantos da vida. Fiquei pensando, nossa, tô ultrapassada, eu que amo música e sonho com uma casinha "onde eu possa plantar meus amigos, meus discos e livros e nada mais"..Na verdade não tô ultrapassada não. Essa moçada é que tá perdendo a experiência mágica de poder escolher uma boa música e colocar o CD pra tocar, e não ficar procurando na infinidade das 2.000 músicas do IPod. E nem tem uma capinha pra gente curtir, poxa!!! Eu sou muito nostálgica mesmo, apesar de estar sempre com um pé no futuro, como boa aquariana que sou. Tenho saudade das músicas que curtia na minha adolescência (anos 80), Barão, Titãs, Legião, Chico, Caetano, Elis. Ontem mesmo fiquei um tempão ouvindo Cássia Eller. Tanta coisa boa. E muita coisa formidável que tenho conhecido nos últimos tempos também, ritmos novos para mim, e o samba que veio chegando devagar e veio pra ficar. Por isso quando meu filho chegou da escola cantando Luan Santana eu disse: Ah não preto, vamos mudar isso. E fui logo colocando o CD da Adriana Partimpim que eu comprei pra ele quando ele tinha 10 meses, e tem uma linda dedicatória na capa. Imagina, sem CD, para onde vão essas lembranças?? Esse disco que a Adriana Calcanhoto gravou com a alcunha de Partimpim, é lindo, e não sei se é o único infantil dela, mas tem uma música fofa que é "Ser de sagitário", motivo pelo qual eu o comprei pro meu filhote (ele é sagitariano). Para crianças e adultos uma excelente pedida. Acho que vou é cuidar dos meu discos, porque do jeito que as coisas caminham, eles vão virar raridade!!!!

Muitos beijos, muita música boa e descobertas sempre!!!!

Marisa




2 comentários:

Nicolle 3 de março de 2011 09:13  

É Tia Marisa, infelizmente não é só nesse aspecto que a minha geração está se perdendo. Hoje em dia, com o computador, até as relações ficam complicadas. Tudo pode ser resolvido pela internet. Além do mais, tudo parece ser copiado. Você ter a ideia mais nova que seja.. você procura na internet e acaba achando uma igual a sua. Parece que com esse mundo superglobalizado e supertecnológico, as coisas perderam a graça.
Há ainda outras muitas coisas que não existem na minha geração. Lembro de ouvir meu pai contanto que na época dele não tinha essa de "pegação" e que nas boates tocavam músicas românticas para os jovens dançarem abraçados, e a partir de então rolar um clima. Não era como hoje em dia que o pessoal já chega beijando ao som de "minha eguinha pocotó". Triste realidade, mas é a pura verdade!!! Às vezes acho que nasci na época errada.. onde é que esse mundo vai parar???

Mônica Vaz 8 de julho de 2011 14:12  

kkkk Dei trela do comentário da Nick.
Mas é isso mesmo, as coisas estão acontecendo com uma velocidade tão rápida, que a impressão que temos é que sempre estamos defasados, nunca conseguimos acompanhar as novidades. Concordo com você, não devemos nos perder nestas tecnologias e continuar sim, curtindo as coisas como antigamente, é muito mais prazeroso e ainda cheinho de boas lembranças.
Beijos no core!

Related Posts with Thumbnails